Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

Introdução

   Não sei bem por onde começar. Como tanta coisa, no escrever o mais difícil é mesmo o ínicio, encontrar uma forma de arranque, espontânea e sincera que me permita atravessar a barreira da subjectividade humana - isto é, chegar à universalização da experiência de cada um - para conseguir aceder ao mais profundo. Àquela matéria que não é o corpo mas sim a composição, o átomo interior que é impregnado de si mesmo, vive-se a si mesmo, mobiliza-se, dispersa-se, deambula por si mesmo e, no entanto, realiza-o num movimento consciente e uníssono com todos os outros átomos - um interseccionismo completo, onde cada individualidade espontânea permanece e reluz, reflectida e ampliada pela sua conjugação com tantas outras e únicas metades que há em todos nós, que partilhamos e escondemos dos outros e que afirmam que a soma não é maior que as partes, tal como as partes não são mais que o total: cada qual é uma parte inata e intrínseca. Essencial, eterna e no entanto, mutável, em constante renovação e mudança, de acordo com a pessoa.

   É nesta minha preocupação de descrever e aceder à nossa essência comum e exclusiva que procuro comunicar e relatar, numa narrativa ritmada prenha de um naturalismo puro e descontraído. Atendo já que qualquer perversão da palavra que aqui uso é intencional - uso a palavra como a quero, não como é - porque a palavra é a essência: um bom escritor tem que ter uma consciencialização das palavras que usa, escolhendo-as de uma prateleira primordial para as depois polir e empregar como os símbolos universais que representam, mas sem deixar de as quebrar e impor a sua vontade sobre elas. É esse o trabalho de um mago: não invocar forças, mas domá-las e usar o seu poder cósmico e universal. Para tal e como tal, toda a corrupção da palavra que eu realizo, toda a descrição minuciosamente minimalista, certifica-se que cada palavra não é nem demasiado vaga nem extremamente descritiva: a palavra toma o sentido, como um tecido toma a forma do objecto que cobre e torna-se única e exclusivamente aquele sentido: A palavra é o sentido.

   Dito isto, começo como deve começar toda a história: no começo.

 

                                                                      David João

sinto-me: Demasiado próximo
música: Eu próprio
reflexo de turma 12º 12 às 15:48

link do reflexo | reflectir | favorito

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos