Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Dupla Perspectiva

 

E já que andamos todos armados em poetas, aqui está a minha modesta contribuição:

 

 

Incómodo de andar desta maneira,

Onde as curvas necessárias nauseiam.

Querer dividir o que não é divisível

Enquanto a energia e a vontade escasseiam.

 

Que desorganização!

Querer ter sempre terra debaixo dos pés,

Mesmo quando voo na frustração,

De saber-me incapaz de controlar tudo!

 

Mania do equilíbrio e das “justiças”!

Poder ser desequilibrada por um dia…

Reprimir a solidariedade que prenuncia

A quebra do “eu” que me quebra…

 

E tudo segue na paz dos anjos…

Que nunca quebram as asas.

E nos negam a omnipresença

De ser duas tábuas rasas…

 

                                          Silvie

 

reflexo de turma 12º 12 às 21:46

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (3) | favorito
Sábado, 29 de Dezembro de 2007

Carta a um Desconhecido

Cansado.
    Cansado, meu amigo, sinto-me... Sim, cansado.
    É noite – tarde, muito tarde. Sento-me à secretária e escrevo-te esta carta. Não oiço nada, a não ser o som da ponta da pena (com a qual te escrevo) a raspar nesta folha de papel velho (na qual te escrevo). Cada traço, a cada movimento da minha mão, se ilumina numa letra preta que, com outras, formam as palavras que te dirijo. E assim, as minhas palavras ressuscitam. Ressuscitam porque da minha mente nascem, no meu corpo adormecem, nas minhas acções morrem e somente nesta carta renascem.
    Consigo sentir o arder da lenha na lareira que acendi há momentos, mas não sinto o calor humano do fogo, só o arder. Sinto-o porque o observo: as chamas seduzem os pequenos troncos de madeira (nenhum escapa), acariciando-os com tentações ardentes, chamando-os para o pecado final. Afinal, qual é o mal de pecar? É humano. E neste exacto instante, a lareira que se encontra a indefinidos metros de mim, o seu fogo, as suas chamas, os pequenos troncos (os pecadores!), todos eles são mais humanos do que eu! São mais humanos porque se amam uns aos outros de forma louca e espontânea, como se não houvesse amanhã, como se fosse o curso natural da vida: a lareira tem de amar o fogo que a invade; o fogo tem de sentir as chamas que o devoram; as chamas têm de penetrar os troncos que as atraem e os troncos... Os troncos, coitados e impotentes, têm de se entregar à explosão temperamental das chamas. Mas então, e eu? Quem devo eu amar se não tenho quem me invada? Quem devo eu sentir se ninguém me devora? O que posso penetrar se não há quem me atraie? Só me resta ser coitado e impotente, mas nem isso posso ser – ninguém “explode” à minha frente...
    Como podes ver, meu caro amigo, ando mesmo cansado. Velho e cansado como esta cadeira na qual me sento,  cansada e velha. Porém, isso pouco importa. Não é de lareiras nem de chamas nem de cadeiras que te quero falar, isso são desvaneios deste teu ingénuo camarada.
    Escrevo-te hoje porque te quero falar de personagens. Pois é... Dei por mim a lembrar-me do passado e dos tempos em que tu e eu juntos, sempre juntos, tentávamos descobrir o que havia para além daquele horizonte que nos desafiava. Mesmo assim, o que me traz mais saudades é a maneira peculiar como tu, só tu, conseguiste ter essa ideia naquela tarde de Verão. Sentámo-nos no monte, sentimos a brisa a beijar o nosso cabelo, as ervas a saborearem o leve toque das nossas mãos, o cheiro do sol a bater-nos na cara e, constantemente, continuamente, mirávamos e nunca tirávamos os nossos olhos daquele horizonte que nunca, mas mesmo nunca nos deixava de desafiar. E, com um simples movimento do vento, surgiu em ti um desejo de ser diferente. Recordo-me das tuas irreverentes palavras “Quero ser outro. Vamo-nos incorporar em mil e uma personagens! Vamos?”. Mil e uma, dizias tu, mil e uma... E a partir desse dia, em cada novo dia, a cada dia novo, éramos uma personagem nova! E sim, conseguimos sentir tudo. Querias entender a complexidade deste mundo, querias captar a diversidade disto tudo e conseguiste. Conseguimos. Pudemos experimentar novas sensações e saber o significado de cada momento e de cada coisa e de cada acção. Tudo simplesmente porque quiseste interpretar o que te rodeava: quiseste conhecer o porquê de chorar quando se está triste; o porquê de ter fome quando não se come; o porquê de dormir quando se tem sono; o porquê de pedir esmola quando se é pobre; o porquê de desprezar quando se é rico; o porquê de ser infiel quando não se é amado; o porquê de roubar quando se está desesperado; o porquê de gritar quando se está zangado; o porquê de beijar quando se está apaixonado; o porquê de rir quando nos sentimos felizes; o porquê de amar quando se sabe que se sofre... Porquês, porquês e porquês...
    Lembras-te? Ainda te lembras? Han? O quê? Sim, consigo imaginar-te a responderes-me com aquele teu ar muito sério “Lembrar? Lembrar-me do quê? Eu cá não me lembro de nada!” e, logo de seguida, a desmanchares-te a rir (e eu contigo, sempre contigo!), dizendo que nunca, jamais!, te irias esquecer...
    Mentiste, meu sacana. Fugiste, foste-te embora. Morreste. Erro meu. Interpretei aquilo que não devia ter interpretado. Incorporei-me naquilo que não devia ter incorporado. Personagem errada. Quer a minha, quer a tua. Tu, um homem. Mas eu, sem querer, uma mulher. Se não te tivesses mascarado nesse homem, eu não me teria mascarado nesta “mulher” que, afinal, é um homem. EU sou um homem. Mas quando quis experimentar ser mulher, descuidei-me e tornei-me naquilo que, definitivamente, não me devia ter tornado. Erro meu. Grande erro meu. Seguramente, personagem errada. Não quis, mas apaixonei-me. Por ti. Esta mulher (ou homem?) apaixonou-se por ti. E por gostar tanto de ti, tu abandonaste-me. Deixaste-me sozinho a amar-te. Este amor corrompou o teu coração, nunca pensaste poder amar-te tanto a ti próprio, pois não? Eu gosto tanto de ti... Desculpa, enganei-me, TU gostas tanto de ti que ficaste cego, incapacitado de amar outrém. Ficaste tão obcecado contigo próprio que nada mais podias ver à frente. Tornámo-nos egoístas e rancorosos. O nosso coração gelou e pouco podíamos fazer. Acabaste por morrer. Aquele tu que eu conhecia deixou de existir. Ficámos um poço de melancolias.
    Tudo porque tu te amas. Ou eu me amo. Ou tu me amas e eu te amo. Não interessa porque, na verdade, eu sou tu e tu és eu. Nesta carta que escrevo, quando me dirijo a ti, dirijo-me a mim porque tu és eu e eu sou tu. Afinal, escrevo-me a mim próprio. Eu sou uma personagem que tu criaste para te acompanhar a criar outras personagens, mas na verdade, somos um só. E quando tu criaste o homem, eu criei a mulher. Apaixonámo-nos e destruímo-nos. Ironicamente, amaste-te até não teres mais forças. E por isso, estás cansado. Eu estou cansado. Estamos... Cansados. Haha...
    A viagem acabou, meu companheiro... Não há mais que procurar,não há mais que sentir. No fim, nem tu nem eu descobrimos a verdade de nós próprios. Aquilo pelo qual mais ansiávamos nunca acabou por se revelar. Nunca chegámos a conhecer a nossa verdadeira forma, a nossa verdadeira alma. Por isso, chamas-te Desconhecido. 

 

 

 

Adeus. Descansemos, que foi tudo demasiado longo.

 

 

                                                                                                 
                                                                                                                Ass.: Desconhecido




Jean-Mathieu Cardoso
                                                        

sinto-me: Inspirada
música: One more time, One more chance - Masayoshi Yamazaki
reflexo de turma 12º 12 às 22:46

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito

dias úteis

   hoje é tão véspera de amanhã que já salta à vista o meu contentamento de sábado à tarde...

   vamos por partes: Domingo é mau, Segunda é do piorio.

   começo por Domingo. Domingo traz-me sensações desagradáveis. seja qual for a manhã de Domingo em que acorde está sempre um sol radiante, algo fluorescente que me faz semicerrar os olhos. nem que esteja nublado, chova, troveje está lá o intrépido raio de sol que curiosamente faz com que o sítio que ilumina pareça um trecho dum qualquer filme épico, do género távola redonda/ excalibur. as paredes brancas fervem com a alegria condensada de Domingo e desespero com a preguiça e moleza das tardes de Domingo em que sempre passam filmes de princesas e animais que falam...

   aos Domingos acordo sempre sem vontade de comer, praguejo com a televisão e arrasto os pés o que provoca um barulho irritante por causa dos chinelos. havendo sempre o comentário: "está mal disposto por causa que...qualquer coisa" que nunca lhes direi, porque é Domingo e Domingo explica tudo porque é um dia em que não me sinto capaz de articular sem ser ordinário. Domingo é dia perfeitamente imperfeito para enumerar os meus desgostos. por isso hoje é sábado de tarde, véspera de humor inqualificável.

   já agora falemos da nostalgia que Domingo me provoca...será porque os dias brilhantes não combinam com vontade de aprisionamento domiciliário?... eu confesso que sou fotofóbico ou sensivel à luz, e sabe-me bem correr a cortina e fechar até metade o "estore"/"persiana" e suspirar de tão nostálgico até suspirar por ficar irritado com tanto suspiro e "tónhice".

   as segundas-feiras fazem-me mal porque são a continuação dos Domingos mas sem o tal sol. no entanto afectam-me igualmente...e também porque não é uma boa maneira de começar a semana. uma boa maneira de começar a semana era do género, chegarmos ao final do dia de Domingo e, de seguida haver um dia não identificado no calendário em que toda a gente ia à sua vida e assim teria eu e quem mais concordar que Domingo é desgastante poderia(mos) desanuviar.

   dias úteis precisam-se, fora os das férias.

 

Gonçalo Julião.

22 Dezembro, 2007.

música: Tuesday's gone - alice in chains
reflexo de turma 12º 12 às 14:12

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

Adoro

Os primeiros ventos frios do Inverno,

Aqueles que nos causam os primeiros arrepios

Para depois vestir aquele casaco,

Que apesar de já estar velhinho, ainda me aquece

Como aquecia no primeiro dia…

Adoro,

Estar à janela e ver a chuva a cair,

Ouvir o som que ela faz ao cair,

E senti-la no meu rosto…

Adoro,

Ver as folhas a dançarem nas árvores

Quando o vento lhes toca…

Adoro,

Ver os primeiros flocos de neve a cair,

É tão lindo de se ver…

E então,

Quando as ruas ficam cobertas de neve,

Sei que posso ir lá para fora, brincar…

Adoro isso e tudo mais…

Mas podem-me tirar tudo!

Os primeiros ventos frios do Inverno,

O meu casaco já velhinho,

A chuva no meu rosto,

Os primeiros flocos de neve a caírem,

E as brincadeiras de criança na neve,

Mas não me podem tirar as lembranças

E as memórias,

Que guardei no meu coração!

Mas se tudo me tirarem,

Então irei olhar para ti

E não irei chorar,

Porque apenas e só de olhar para ti

O meu coração

Confortado irá ficar,

Pois eu adoro-te

Adoro-te,

Mais do que a tudo

Porque mesmo que me tirem tudo,

Irei ter o meu coração,

Onde guardo tudo…

Mas se tirarem-te de mim,

Ficarei sem nada,

Sem lembranças, ou memórias

Pois tiraram-me o coração…


Este poema foi escrito por uma amiga minha... Como gosto muito do texto e ela autorizou que eu o publicasse decidi incluí-lo no blog... Espero que gostem =)


                                                 Daniela Freitas 

sinto-me: bem
reflexo de turma 12º 12 às 22:12

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (1) | favorito
Domingo, 23 de Dezembro de 2007

Urgente...

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugénio de Andrade

É urgente e concomitantemente necessário sermo-nos panóplias de ecléticos, suficientemente audazes e flexíveis  para não perdermos nunca a nossa capacidade de amar e de sonhar....

Boas Festas:

a prof

reflexo de turma 12º 12 às 21:08

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Relatividade

Um pequeno exercicio... Com uma breve menção à Sílvia (olha-me este, fingindo que é poeta!)


Nunca vi um gato ser condenado,

Nem por si nem por nenhum outro gato,

Pois nunca foi crime comer um rato,

Nem castigo para tal ordenado.

 

Mas alguma vez alguém sequer viu

Gato atormentado pela ética?

Verdade é o rumo que seguiu…

Não seguir, já é justiça poética.


 

Bernard Chien

tags:
reflexo de turma 12º 12 às 21:42

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

decisão sobre o decidido

   decidi por uma vez desistir. decidi não querer saber e ir em frente.

   decidi por duas vezes retomar o costume de cantar ao acordar, sendo que cantaria toda a noite devido a insómnias assombradoras.

   prometi-me tanta coisa e prometi-me não me prometer mais nada...

   deixem-me sozinho a pensar ou sossegar dois três momentos e estarei capaz de retomar a vida que arrasto, suando... mas sem saber como, arrasto mais alguém com as merdices que me somam e sobrecarregam...

   mas vá, o que tinha ficado mesmo decidido era: seguir em frente, risos sem motivo para rir são permitidos. o que se decide agora é: faz a tua vida e quem te poder abraçar que não te largue.

   mas para a amanhã, segundo o calendário, vai ser decidido: não tentes parecer, sê. mas vai ser alterado para a decisão não menos ponderável: não tentes deixar de ser, deixa duma vez.

 

   no entanto estou a escrever algo sem muita importância mas sem uma vontade de escrever significativa, nem o tema é tão interessante quanto desejava, por isso sai frouxo e seco...enfim se este texto fosse um cão...

 

Gonçalo Julião. dois meses e dois dias.

música: Maggie's Farm
reflexo de turma 12º 12 às 15:40

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (3) | favorito
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

untitled by author

Há muito que estar nesta casa me incomoda

Inquieta-me. Entristece-me.

Sei lá (depende do dia)!

Mas tudo começa quando penso.

No que sou. No que fui.

-

Há dias em que se nota mais

Que já não sou quem era

E umas vezes isso deixa-me

Transtornado,

Irritante.

Outras apenas

Sensível,

Pensativo,

Triste.

-

Há momentos em que me apetece

Acabar com tudo: Eu, o mundo, Tu!

Tu, que és uma espada de dois gumes

Posicionada entre mim e as outras.

-

As outras, porque involuntária e conscientemente

As impedes de chegar até mim,

De me interessar, entusiasmar-me.

A mim, porque estás no meio

E no centro de tudo, para o bem e para o mal.

-

Tudo em mim passa por Ti

Os melhores e os piores momentos da minha vida

Estão relacionados contigo.

E tu suspensa no ar, como se não tivesses

Nada a ver com isso (nem queres ter!)

-

Não precisas que te suportem,

Que te manuseiem,

Que te direccionem

És autosuficiente! És?! Não...

Achas que és!

-

Deus! Como esta casa me incomoda!

Deus?! Qual Deus? Deus não existe.

Ou pelo menos não gosta de mim.

Ninguém gosta de mim...

-

A casa continua aqui

Pedra sobre Pedra

E as Pedras não sentem

Não se emocionam

Não se alegram com o teu sorriso.

-

Por isso, Quem mudou não foi a casa

Porque a casa é matéria:

Tijolo, cimento, tinta.

Quem mudou não foi a casa

Ela permanece intacta

Dolorosamente igual.

-

Eu é que já não sou feliz...

 

 

Liana Rodriguez, 13/12/07.

 

reflexo de turma 12º 12 às 19:46

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (4) | favorito
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

Não sei

Tudo ou Nada?
Muito ou Pouco?
Não sei mas já soube.

Não é suficiente.
Amo-te demasiado.
Desejo meu? Vontade minha?
Loucura? Obsessão?
Ou estupidez?

Não sei mas já soube.

A noite traz consigo restos de mágoa e desencanto
E a manhã que raia no horizonte é fria e cruel
Mas este amor constante,
Esta procura do teu ser,
Da tua essência apazigua-me.

Alívio?
Ainda não.
Outrora.
Agora não.

Passado? Desconhecido.
Presente? Infeliz.
Futuro? Desconhecido mas infeliz.
Não há passado, nem futuro.
Apenas existe o presente.

Não consigo agarrar o Tempo.
Este foge entre os meus dedos como areia fina.

Cobardia? Medo? Coragem?
Tudo isso ou Nada?
O que já foi? O que é? O que será?
Não sei mas já soube.

Perguntas...
Porquê? Para quem?
Respostas...
Não sei nem nunca soube.

                                                                                 Daniela Freitas
sinto-me: abúlica
música: Apocalyptica - Somewhere Around Nothing
reflexo de turma 12º 12 às 22:58

link do reflexo | reflectir | favorito
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2007

o feitio da perdição

estou em paz com o que deixei para trás

 

sim, esperando um destino que se foi arrastando num atraso, numa ansiedade,

mergulhei ali, quando enfim chegou e me tocou nas feridas,

um espaço acutilante em que era gentilmente punido e atempadamente apaziguado.

a oferenda dos meus bons e gozados pecados libertinos foi a corrente que me fez pairar sobre a liberdade que nem filosoficamente senti.

fui nascendo num retrato cubista em que a liberdade se encontrava nos contornos.

existiu em nós

e fui morrendo fora da redoma que ao se partir me atirou perto deste fim, e sofri até que a caridade do destino me acolheu finalmente.

 

a alma canta na travessia.

no destino que me encontrou, corro,

corro, com o tempo que já não passa,

perco-me, mostro-me desconhecedor das maravilhas

que assombram os meus olhos,

ignorando o tempo que se esquece comigo ao longo do caminho.

 

se visões me atraiçoam, numa corrida circular de sombras

em que a matéria é engolida na irís,

no toque das àrvores dilaceradas, anãs e aguçadas me apaixonei

pelas sensações surreais, disformes e sensíveis,

e no caminho xadrez sou rei e a minha rainha já morreu,

fui vivente num trapézio,

contornos marcantes, finas linhas,

familiar de vozes virgens,

numa piada da qual fugi, da qual padeci.

 

parei, sem droga que me coma a dor,

preso na cortina de chuva pesada mutante das monções,

e de olhos fechados ainda ouvia graciosas vozes, forçadas em virgindade, os aplausos estalando da plateia, nas paredes da redoma,

que vêm abençoar o meu julgamento.

imaginário, salto para as mãos que me embalam, moldam e esganam.

sabia que reviveria, e que aquele momento foi um doce, um chamariz,

e chegado ao fim da linha, no trapézio em que vivo,

fui asfixiado, na fina dor, pendurado, pairando,

como castigo pela marioneta que me deixei ser.

  Gonçalo Julião                                  há algum tempo...

reflexo de turma 12º 12 às 21:31

link do reflexo | reflectir | favorito

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos