Sexta-feira, 9 de Março de 2007

Memória

         Eu sou um homem do mundo. Sou um homem refinado. Sou um homem de pensamentos profundos e sou um homem educado. Educado pela Vida e pela Escola. Passaram-me várias coisas e deram-me a conhecer muitas mais. Mas há só uma questão a resolver e essa só posso ser eu a resolvê-la.

            Eu tenho uma ideia. Uma ideia interessante sobre a qual eu penso muitas vezes e gostaria que reflectissem um pouco sobre a minha ideia. Reflectir sobre o significado da minha ideia. Mas antes de qualquer tipo de pensamento, é necessário clarificar os termos: qual o objecto com que nos deparamos, os nossos dados relativos a esse objecto, o problema que nos é colocado, e inúmeras mais perguntas... Adiantamo-nos e irreflectidamente colocamos a resposta: "Eu penso que..."; "Eu creio que..."; "Eu julgo que..." . Expressões comuns do nosso dia-a-dia, que só por si não têm nada de mal. Mas antes de resolver uma questão de qualquer tipo e resolvê-la sem pensar, há uma pergunta final a ser resolvida: quem é o "Eu"? Essa é a definição máxima. Podemos conhecer os países, os ácidos e químicos, os continentes, os minerais e sais, o mundo e tudo o que existe e ainda não nos conhecermos. Sem nos conhecermos, não podemos ter a certeza do que realmente conhecemos. Tudo o que nos foi ensinado e transmitido é fútil e superficial se não houver um "Eu". Como sabemos quem é esse tal "Eu"?

            Só a questão "Quem sou eu?" é um pensamento que, apesar de abstracto, é o nosso único ponto de ligação à realidade. É através dessa pergunta que confirmamos a existência do "Eu": Eu tenho necessariamente de existir, para me questionar sobre quem sou. Algo que não exista não pode pôr em causa a sua existência. Agora, conhecer-me-ei?... Será que eu me conheço?....Ou melhor, o que sei eu de mim? Sei que sou muitas coisas para diversas pessoas: convencido, arrogante, palhaço, amigo, mentiroso, fiel, idiótico, etc. ... A mim não me interessa, pois não sei se essas pessoas existem. Só me interessa o que eu sou para mim, pois é a única coisa que eu sei que existe realmente: um "Eu". E quem eu sou para o meu eu? Quem é que eu sou realmente para mim próprio?

            Este pensamento confirma a minha realidade. Enquanto eu o ruminar, ele confirma a minha existência. Mas e quando parar de pensar nele? Quando a minha mente se distrair por assuntos triviais, questões sensoriais, distorções exteriores e várias, irei desaparecer? Não. Ainda terei a recordação desse pensamento e terei sempre o poder de o reavivar... Através da memória.

            Eu considero a minha pessoa divida em três partes: O meu futuro, o meu presente e o meu passado. O meu futuro é impossível de saber. Poderíamos fazer suposições ocas e fundamentá-las com teorias de valores cínicos e frios, calculistas e desprovidos de coração e que nunca se iriam consumar. O meu presente... Mais complicado. Considero o meu presente a pessoa quem eu fui no passado mais as situações com as quais me deparo no presente. Essa soma irá formar a pessoa que eu irei ser no futuro. Então, quem sou eu, no presente? Sou a mesma pessoa que era mas mais crescida. Possivelmente, crescida demais. Era muito provável que quem quer que seja que estivesse a fazer as tais previsões fosse o eu do presente. Por isso, hoje em dia não devo ser lá muito boa pessoa. Mas eu referi que parte de mim era quem eu já fui. Essa é uma questão interessante... Quem fui eu?

            Eu fui as minhas acções. Eu fui os meus pensamentos. E eu sou as minhas memórias. Aí está quem eu sou verdadeiramente. A minha pessoa, o meu carácter e valores, as minhas acções e pensamentos, tudo isso é determinado pelas minhas memórias. Pelo que já aprendi e pelo que já vivi. As pessoas a quem eu conheci e o mundo que eu conheci. A minha pessoa é o reflexo da memória do que eu já aprendi. Porquê a memória e não a educação em si? Porque não interessa quão boa ou má ela foi, não interessa a qualidade (se existe) do nosso passado. Já passou. O que interessa é a memória com que nós ficamos dela, o que nós pensamos dela. Eu penso logo existo. Recordar o nosso passado é confirmar a sua existência. Afinal, a única coisa que existe verdadeiramente é o nosso pensamento. E sem ele, o nosso passado não existe nem nunca existiu.

Nós somos feitos de pensamentos e desses pensamentos alcançamos a realidade. E mais que tudo, nós pensamos no nosso passado. É através do nosso passado, por tudo aquilo que já passámos que iremos enfrentar e ultrapassar o trauma que é a vida. Um homem sem passado é um homem sem futuro, quiçá?...

 

 

E aqui, do telhado da Escola e da Vida vejo o meu lar lá ao fundo, rodeado de sombras e matizes. A cor de baunilha do céu é convidativa, cúmplice com o aroma a ... certamente, mas é um passado. O chão que piso é um passado. Tudo – Tudo o que existe - não existiria sem mim. Eu sou o centro do meu mundo e esse mundo que vejo através da minha ideia, da minha vida e educação é um mundo cheio de mistérios.


David João - Amador a Tudo -

tags:
reflexo de turma 12º 12 às 15:35

link do reflexo | reflectir | favorito
|

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos