Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Traição

Que sono... Um sono sonolento que se apodera de mim, as palavras parecem-me vulgares e insignificantes... Mais uma vez, lavados de impurezas estão estes olhos meus. Olho para ela, a sua figura afoga-se nas minhas lágrimas, desfocada. Os seus cabelos brilham nas gotas de água que se retêm nos meus olhos, à espera de um impulso ou de um estímulo para escorrerem pela minha cara abaixo. Um impulso...     És sempre a mesma puta.     As palavras são proferidas com desprezo, invadidas por ódio. Je suis une pute – tu es une pute aussi,… pute.    Tinhas de o fazer, não tinhas ?    É uma pergunta retórica, ela já sabia a resposta. Faz um contorno estranho na mesa com a sua mão. Não percebo bem o movimento, as minhas lágrimas não mo permitem. Mas sim, sei que se mo permitissem, apaixonaria-me uma vez e outra e outra, vezes sem conta por esse seu gesto, aliás como me apaixono sempre por tudo o que ela faz. Não consigo conter este desejo que tenho por ela, o ardor que invade o meu corpo quando a olho e ela me seduz com os seus dedos no meu cabelo, nas minhas faces rosadas do calor, um beijo no meu pescoço, um toque no meu peito, nos meus seios, nas minhas costas, na minha cintura, um sopro leve no umbigo, um aperto forte nas pernas para depois me acariciar um pouco mais acima... Os seus dedos dançam ao longo do meu corpo, ela faz amor comigo e eu deixo, eu deixo... Ahhh...    Odeio-te.    This is more than enough, it’s painful. As minhas lágrimas secaram. Hoje é diferente.    Porque é que foste fazer algo que tu sabes que eu não ia gostar, an? Odeio-te por isso. Odeio-te tanto que me apetece violar-te até gemeres!    Ela sempre foi assim. Violenta. Agressiva. Cada vez que me aperta contra o corpo dela com uma força brutal, sinto o desespero dela em querer ser desejada, o medo por se encontrar desencontrada, o sufoco que é para essa rapariga não ter quem amá-la. Ela aperta-me até quase me esmagar os ossos e depois olho-me nos olhos... Je suis envie de toi. J’ai besoin de toi. Quero-te... Quero-te, quero-te, quero-te, ahh, quero-te, ah, ah, ah, ah, quero-te, QUERO-TE ! E assim, acabaria mais uma noite... Mas hoje é diferente.    Como foi possível tu fazeres-me uma coisa dessas? Logo tu! És a única que não podia fazer isso, a única! És uma PUTA!    Sou a única, a única que todos os dias a amou e ainda ama, a única que se serve de objecto sexual para ela, a única que não lhe podia falhar e, no entanto, falhei...    Falhaste-me!    Mais do que uma vez, mas disso ela não sabe... Num lance, atira-me um olhar furioso e incriminador, não sei o que se está a passar na cabeça dela, não me surge nenhuma ideia do que ela possivelmente possa estar a pensar, no minuto seguinte, as suas mãos fervorosas pousam nos meus ombros e, com toda a naturalidade, comprimem-nos corajosamente e, sem eu poder dar qualquer resposta, ela arremessa-me para o chão, bato com as costas na parede fria. Como uma energia que a come e a explora por dentro, ela aproxima-se de mim com passos lentos, mas determinados como quem sabe e não sabe o que quer. Ela está chateada. Haha, está mais do que chateada. Sorrio.    Qual é a piada? A última coisa que me apetece fazer agora é rir!    Hahahahaha...    Cala-te, sua puta!    Cada vez mais zangada... You amuse me.    Divertes-me, não te consigo explicar em como me sinto feliz com o que eu fiz, não me arrependo de nada. E, agora, sinto-me ainda mais feliz porque tu divertes-me, a sério! Foi só uma aventura e estás a fazer esta cena toda? Hahahaha, és tão parva... Hahaha...    Não lhe sei mostrar outra reacção, a verdade é que me sinto bem com isto tudo, a violência dela acalma-me, reconforta-me porque sei que esta é a forma dela me expressar o seu amor e eu saceio por tudo o que seja dela, qualquer indício, qualquer pormenor., qualquer atitude... Começo a rir-me com um riso malicioso e desprezível. Ponho-me de pé e dirijo-me para a cama e sento-me nela, ela segue-me com os seus olhos enlouquecidos. Sem pensar, levanto a minha mão direita e faço o gesto feio: mostro-lhe o dedo do meio. Volto a rir-me. Provoco-a. É única maneira...   Vai-te foder...    Agora sim, não há retorno. Ela vira-se para mim e caminha para a minha direcção. Desta vez, sei exactamente o que ela pensa e o que ela quer. Passa pela mesa redonda e pega na tesoura. Vem a meu encontro cada vez mais depressa, não há nada que a possa parar. Podia sair do sítio onde estava, fugir para evitar o que vinha, mas não quis, continuei quieta na cama. É agora ou nunca. É a única maneira. Faltam só oito passos, seis... Cinco, quase... Três...    AAAARGH!    Ela grita. Saltou para cima de mim. Aperta-me o pescoço como de uma selvagem se tratasse, não reajo...    DIZ ALGUMA COISA, REVOLTA-TE, BATE-ME, TORTURA-ME! Mas, por favor, por favor... Não te esqueças de mim...    Estou deitada, ela de joelhos, em cima de mim, os seus delicados dedos ainda à volta do meu pescoço, mas já sem pressão nenhuma.    Não consigo...    ARGH! ODEIO-TE!!    Ela baixa a sua cabeça. Vejo os seus cabelos brilhantes, mas não encontro a sua cara. Uma a uma, as suas lágrimas tocam-me as faces, caem como se fossem as suas últimas, uma a uma, ritmo balanceado e desconcertante, uma a uma... Os lençóis estão a ficar vermelhos.    Eu amo-te tanto... Porquê? Porque me fizeste isto?    A dor no meu estômago aumenta, sinto o meu interior contorcer-se todo, a tesoura está bem enterrada no meu corpo e ela geme. Ela geme, soluça, chora sem parar. Cada gemido equivale a mais um golpe em mim, no meu coração. Ela afasta as suas mãos da tesoura, esta continua onde está, sinto-a bem ali, descansa-as na minha cara, estão pintadas de um sangue mais vermelho do que aquele que escorre do meu corpo, olha-me... Perdem-me perdão, os seus olhos. Aproxima a sua cara da minha e violentamente, abre-me a boca com os seus lábios controladores e ela faz acontecer fenómeno, as nossas línguas envolvem-se, a sua pressiona a minha com toda a raiva que lhe é possível, a minha dá voltas na dela, tudo isto envolto na saliva que agora sabe a mel... É a única maneira, não havia outra. Só assim ela se podia vingar desse meu erro estúpido. Assim se vingou ela. Ficámos deitadas naquela cama, naquele momento, descansámos, até que eu fechei os olhos com o sono que me apoderava. Ela foi a última visão que tive. Não abri mais os meus olhos. Ela vingou-se. Amei-a com tudo o que pude.

 

 

 

Jean-Mathieu Cardoso


(A.K.A. Dani-ela)

reflexo de turma 12º 12 às 21:51

link do reflexo | reflectir | favorito
|
3 comentários:
De silvie a 5 de Abril de 2008 às 20:51
Simplesmente adorei...mt. É o teu texto que mais gostei. parabens!
De gonçalo a 8 de Abril de 2008 às 19:11
vibrante sonante arrepiante.
um óptimo thriller. gostei. estás a ficar cada vez mais inteligentemente erótica e com uma escrita apaixonada. mas agora pergunto-me se é um texto recente...
bj
De Dani-ela a 9 de Abril de 2008 às 15:59
Thanks =)
É recente, fresco, logo saído do forno para aqui! LOL
O dia em que coloquei o texto foi quando o comecei e o terminei.

;)

Comentar reflexo

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos