Domingo, 24 de Fevereiro de 2008

Fusão

Ali está ele. Não interessa o nome, não interessa como é, quer física, quer psicologicamente. Não vamos criar estereótipos e simpatias. O que interessa sempre é deixarmo-nos ir, independentemente do final da história, o que conta são sempre as peripécias, depois é só dar descanso aos coitados.

Pegou no pincel. Deixa-o escorrer sanguinariamente sobre a tela, que espera sedenta de vida alheia, só para saber o que é ter alma e adamastores dentro da carne fremente de energia. Ele mantém os olhos fechados, as mãos sabem representar como ninguém as ondas que rebentam na invisibilidade do sentir.

            O pincel funde-se com a tela. A velocidade é estonteante, dá a impressão de termos deixado passar por nós um furacão demasiado rápido para se ver. Quase toda a tela está coberta de vermelhos arrastados em todas as direcções, as pinceladas são velozes, ondulantes, vibrantes, como se tivessem esperado demasiado tempo para entrar em acção. E havia tanta coisa por dizer…

            Agora o amarelo, vários amarelos, sempre com o máximo de efeitos luminosos possíveis, amarelos eléctricos, intensos, angustiantes, com que ele vomita descontroladamente um triângulo sem base, no espaço deixado pelos vermelhos tensos, violentos e apaixonados.

            Falta o toque final. Não podemos ignorar o negro. Má ou boa, esta cor ronda-nos a todos. E lá está o negro, escorrido numa linha contínua por baixo do que seria a base do triângulo, se este a tivesse. Ele liberta o negro suavemente, cautelosamente sobre a tela. Há uma postura tétrica e elegante nesta cor que não que não podemos deixar passar em branco…só em negro, do qual a essência não convém perder.

            E aí está o quadro no seu todo. Nem ele se lembra de como começou, a primeira pincelada que deu, nada. Apenas a ressaca da festa de luzes e sensações que avivou naquele quadro branco, sem que nada o previsse. E aí está a obra, não de pedra e cal, mas de tinta, carne e tela. Mais uma obra abstracta como abstracto é tudo aquilo que sentimos.

            Ele olha a tela numa mistura de amor e transe. A tela grita-lhe em cor e em voz, toda a sua própria história, ou o que sabe dela, pede-lhe que lhe conte o que ele sabe.

            Ambos sabem a história agora. A história que não tem fim, porque não o sabemos e não o vamos inventar, a história que não tem fim, assim como não tem base aquele triangulo amarelo de todas as frustrações expelidas. Mas o que importa o fim? O que importa é deixarmo-nos ir não é? Claro que sim, agora sem duvidas.

            Ainda há muitas cores com diálogos reprimidos por aí. Ainda há muitas mãos dispostas a dialogar com elas. Criemos peripécias. Amén.

           

23-02-2008                                                                                                  

Sílvie

sinto-me: apaziguada
música: Da Weasel-toque toque
reflexo de turma 12º 12 às 19:07

link do reflexo | reflectir | favorito
|
1 comentário:
De biju da Silvie a 24 de Fevereiro de 2008 às 22:37
comentário provisório e primário: gosto.

Comentar reflexo

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos