Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

Ultimatum

                Uma última declaração na tumba, antes do pó se assentar. Palavras que devem ser ditas, não dissimuladamente, mas explicitas, apesar de estar consciente da improbabilidade de elas chegarem aos olhos a quem se digirem:

   

                       ULTIMATUM

 

     Expresso neste papel é o meu direito como pessoa (e eu sou uma pessoa como qualquer pessoa poderá acertar) de libertar no mundo um ultimato , aquele som que se divide entre o riso pela vida e a raiva pelo mundo que se confunde tanto nos tempos de opressão. Que não fique dúvida: Isto não é literatura, mas um documento informativo. Eu não finjo, explicito. Onde uns elaboram fumo para atacar, eu apenas revelo para afirmar. Onde me disseram que armadilhavas, eu ilumino. Fica aqui a verdade, não a tua nem a minha mas a verdade. Expressa aqui é a tua certificação de óbito.

     Nasceste numa chuvosa tarde de 24 de Março, e morreste num ano sem fim e num dia sem tempo. Desde então, sinto-te como sinto um membro amputado, como uma mão esquerda cortada. Fazes-me falta, de vez em quando, para sentir e para ser completo. Mas tal como vivia antes sem ti (quer dizer, nunca vivi sem uma mão para a ter pela primeira vez, mas é este o problema com as metáforas: não sabem ser claras) vivo outra vez sem ti, com dores fantasmas quando o tempo assim o deseja. Mas o tempo também pede por trovões de vez em quando, e eu tenho restringido por uma questão de privacidade e uma questão de bom gosto, pois mais vale ser bom vivant que um estereotipado coração destroçado. Claro que não sou eu aqui o amargo e o mesquinho, mesmo na elaboração deste ultimato . É necessário que tu percebas a mensagem que toda a gente já canta pelo meu reino de Deus.

     Foi uma aventura, é certo, como dos contos mas uma aventura que não teve consciência do seu fim. Se alguém tivesse visto o caminho de vez em quando, talvez não nos tivéssemos emaranhado tanto no bosque, mas já que cá estamos não vale a pena tentar encontrar o trilho de volta. Assim, pára de deixar pão pelo caminho. Como dois pólos do íman, a melhor maneira de descrever a aventura é “Iguais na sua oposição, íntimos como apenas os desconhecidos o podem ser”. Que se foda . Morre e deixa morrer.   

     Pela minha vida, são vozes interiores que regurgitam planos e pistas aos meus ouvidos, abutres cadavéricos para os quais qualquer acção é uma dissimulação, de ambas as partes (suas e tuas). Vêm fingimento em tudo e assim querem-me convencer. Querem-me bem mas deixaram-me paranóico, de tal forma que mais valia nem terem falado. Desde que falaram não há descanso para a minha mente e começo a ver formas onde há apenas sombras. Que me querem? Querem que eu te seja igual? Querem que eu comece a sussurrar insultos, querem que eu comece a ser o mentiroso? Querem que eu realmente seja o manipulador? Eu não me dou bem com intrigas, eu sou feliz na minha simplicidade. Para mim há o amar e o ser amado. Há o desconhecido e o desconhecedor. E por fim há o ódio.

    Sim, pois estas vozes dividem-se em expressões de ódio e murmúrios de amor. Ódio de quem te quer mal, amor de quem nos quer bem. Eu já não quero nada senão paz. E isso significa-te longe. Que assim seja.

    Uma voz que são duas (Onde estás? Quero-te próximo do meu peito) fica triste e sombria, como nunca vi ninguém ficar e ainda não vejo. Fala como se fossem unas nossas acções quando não o são. Eu sou a criança mas não sou o infantil, tu és a mulher que não sabe o que é altruísmo, confundindo egoísmo e hedonismo com independência e amizade. Talvez o Bom Livro tenha as tuas perguntas e tu sabes cada página mas eu já tenho perguntas e nunca foram poucas. Quem te pagou pelo trilho, como quem paga pelo corpo e alma? Aí está a diferença que ela não vê em nós: Eu sou culpado de inocência. Tu apenas és inocente de não seres criminosa.

   Uma voz mais perto, que mais perto fica e me edifica, diz-me que espere e censura a minha impaciência. Puxa-me pelos dias, como uma corda de salvação, e vejo passar o tempo e vejo passar os meus cabelos jovens pelos meus olhos e amanhã está cada vez mais perto mas nunca mais chega. Quando chega, para haver paz?

   São outras vozes, indistintas e confusas vozes, desconfio dos seus motivos, que me pedem sangue e que poupe a clemência (sinto-me tentado a ouvi-las) e que me falam de planos e me falam sobre Waterloo. Mudaram-me a mente e comecei a falar de planos e sobre vitórias e derrotas inglórias. Dizem-me que eu sou uma casa e que Deus não gosta de ti. Eu posso não ser a casa de Deus, mas sou a casa da Razão e sou eu quem já não gosta de ti. No entanto, e apesar de eu ser ouvidos moucos para influências aladas, têm razão:

   A Raiva. A raiva que me invade. Quero que me dês mais raiva, quero sentir este meu planeta vermelho onde habitávamos ser engolido pela raiva, quero sentir a raiva em cada superfície e extremidade do meu corpo como se de uma corrente eléctrica se tratasse. É isso que eu quero, raiva para poder corromper e destruir os alicerces do mundo e banhar-me em sangue quente como quem nada no oceano, livre de pecados e santidades. Há mais tempo no mundo que poemas por desperdiçar e mentiras a fabricar e eu sou o senhor absoluto da minha vida. A minha raiva pode acabar com aquilo que tu começaste e é essa a minha promessa se não escutares a mensagem. Quero, não a força, mas a esperteza; não o modo, mas a oportunidade; e acima de tudo, quero, com todas as forças, que se apercebam da seriedade das minhas palavras. Raiva de te dizer que não há mais espaço para sinceridade, não há mais espaço para o ser directo e não há mais espaço para o carinho de que tanto falas, porque saem-te da boca vazias e perdidas. Tu falares de valores e altruísmo é como eu falar de vinho e extâses ao luar: Ninguém sabe do que fala. Os erros que me apontas abundam em ti.

    Posso ser várias coisas e há tantas definições no dicionário, mas já é tarde. Eu sou o parvo mas só quando eu o quero e não é para os outros. Abri-te um livro e rasgaste-me as páginas. O talento que não querias que desperdiçassem fica a escrever apenas porque é a única parte ainda do meu ser que te quer bem. O resto quer-te tanto quanto a uma doença venérea e quanto mais depressa cumprires o que te prometeste a fazer (como já fizeste tantas falsas vezes e nunca chegaste a deixar-me) melhor para ambos.

    Atenta: Os dois amigos morreram. É assim que acaba o conto. Um foi-se embora para nunca mais voltar. O outro foi o falso que o deixou escapar, demasiado orgulhoso para com o outro. Não te darei a satisfação de seres algo mais para mim do que um simples abcesso e ,como tal, nunca mais fales de honestidade e de amizade na minha presença, pois aí falar-te-ei da hipócrisia e dissimulação. Falaste contra mim como quem fala contra si. Eu falo de ti e apenas canto a mensagem: Estás morta. Apercebe-te disso e pára de fingir que estás viva.

 

                              João

reflexo de turma 12º 12 às 20:19

link do reflexo | reflectir | favorito
|
1 comentário:
De Dani-ela a 2 de Fevereiro de 2008 às 14:22
Uau...
Palavras para quê?
You said it all, John. ;)

Comentar reflexo

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos