Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

Tenho Medo Da Poesia!

          Um pequeno exercício de poesia... Apenas para... bem, mesmo praticar o cérebro e a palavra... Nada demais, como nunca o foi:


         
                Não! Mil palavras são

            Senão mais uma acção!

            Mas nem uma nem mil

            Ela me dirigiu

            Enquanto me levou

            E roubou o coração...

 

            E o que me restou,

            Do que ela roubou?

            Levai o rio, onde

            Ela me viu...

            Sibilai-lhe o vento

            Qu’eu já nada sou!



 


             David "Mania da Intelectualidade" João...
música: "Leve, Breve, Suave..."
reflexo de turma 12º 12 às 22:37

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2007

Quando Eu Morrer (Revisão)

    Quando eu morrer,
            Seja de Velhice, Doença

Acidente ou Assassínio,

Dividam meu corpo em dois

E coloquem-me em cada margem do rio.

 

    Ao ver-me aqui, do lado de cá,

Sei perfeitamente mas incomoda-me,

Como incomodaria a uma criança,

Saber que não posso estar do lado de lá.

 

    Não posso, efectivamente, estar em dois sítios

Simultaneamente.

Não posso saborear o mesmo vento, a mesma água e o mesmo Sol

Em margens diferentes.

(Mas é o mesmo vento e a mesma água e o mesmo Sol!)     

E não posso fazer tanto e ser tanto ao mesmo tempo:

Não há meio termo, tal como não há meia margem…

 
                Foi por um capricho sádico que Deus
            (Ou qualquer outra dessas criaturas fora do domínio humano)

Separou as margens simbióticas:

Para cá há sempre um lá,

Para cada luz há uma sombra

E para ser verdadeiramente a margem direita,

Ela tem que ter uma margem esquerda.

            De quem é o senhor, se não tiver servo?

Metade Incompleta do Ser, o senhor é o servo do seu servo.

 

                Assim sei que para a minha margem, há uma Outra que eu não vejo,

Mas sinto.

Sinto que onde a minha margem acaba, inicia-se Outra,

Necessariamente um outro Eu,

Tal como eu sou necessariamente a Outra Margem.

            Onde eu sou senhor do meu servo e servo de meu senhor.

 

                Mas esta Outra eu não conheço, tal como não me conheço,

Pois é uma margem longínqua. Distante. Escondida entre a bruma.

 

    Como tal, quando eu morrer,

E o meu corpo deixar de responder a estímulos carnais

E a minha mente não mais se apoquentar de margens e rios,

Aí, quando eu parar de ser e não mais me modificar,

Dividam o meu corpo em dois.

Coloquem-me em cada margem do rio

E aí serei tudo e estarei em tudo,

Serei a margem direita e a margem esquerda,

Simultânea e eternamente.


David João

música: Postcards From Italy - Beirut
reflexo de turma 12º 12 às 18:56

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
|
Terça-feira, 13 de Novembro de 2007

Sabedoria

         Eu ia embora, mas não fui. Não parti. Ainda aqui estou. Ainda aqui estou nesta cidade perdida e morta, sem conseguir encontrar o meu verdadeiro rumo. Algo que me prenda aqui. Algo que me faça ficar.
         Agora já não mais quero estar aqui. Quero partir para outro lugar, outra cidade que talvez me proporcione novas coisas, diferentes experiências.  Mais uma cidade que provavelmente me fará sentir perdida e sem vida.
         Às vezes, as memórias perseguem-nos para onde quer que a gente vá. Outras vezes, a  mudança não nos faz esquecer o que deixámos para trás, infelizmente.
         Ah! Como era bom esquecer o passado e viver o presente como se este não tivesse fim... Seria tão bom adivinhar o futuro e controlar a passagem do tempo, tal como a própria vida! E não é preciso ser-se sábio para se ser poderoso, pois nem sempre são os mais sábios que controlam as coisas divinas da Terra.
         A sabedoria não tem nome próprio, nem apelido. Não tem corpo, nem alma, nem mente. A sabedoria tem dependência. Depende de nós, dos outros, dos outros e de nós. Nós e os outros é que fazemos a sabedoria. Nós e os outros é que a utilizamos ou negamos ou fingimos que ela não existe ou fugimos dela ou deixamos escapá-la. Nós e os outros é que escolhemos e somos responsáveis pelos nossos actos, decisões e pelas nossas escolhas.
         Eu escolhi ficar. Decidi não mudar e manter-me aqui. Não sei ao certo se fui sábia mas se não agarrei a sabedoria, pelo menos não a deixei fugir.

                                                                                             
                                                                                                  Daniela Freitas
sinto-me: Happy!!!
reflexo de turma 12º 12 às 22:17

link do reflexo | reflectir | favorito
|
Sábado, 10 de Novembro de 2007

Pedras

 

     As pedras são pedras. Ainda que diferentes no aspecto, serão sempre iguais mecanicamente. Não pensam, não sentem e nada distingue as personalidades umas das outras. Elas não têm personalidade! E está tudo bem.

     Talvez devêssemos experimentar com as pessoas. Parar de as rotular, tentar previsibilidades, desiludirmo-nos com as mudanças matemáticas.

     Como caracterizar a menina que aceita uma viagem a Veneza em troca de um jogo na roleta russa? Ou o menino que, em troca de nada, decide arriscar na montanha russa que pode ou não estar partida ao meio? Sem antecedentes: vida pacífica, talvez felizes, remediados monetariamente, sem tentativas de suicídio ou sequer depressões, medianamente sociais, alegres, alunos bastante razoáveis ou até bons, sem problemas familiares incomuns, relações afectivas estáveis…

     Pode-se dizer que tem uma vida normal… então o que os desligaria dela num ápice? Um momento de adrenalina por uma vida equilibrada e satisfatória?

     Impossível. Sem antecedentes de consumo de drogas ou sequer, inocentes desportos radicais…ninguém começa tão por cima…

     O pai de Catarina caça todos os Verões. Catarina sempre sonhou, fantasiou desde a mais tenra e pura infância com aquelas armas de que não se podia aproximar, que estavam tão longe e tão perto, que traziam petiscos para casa e histórias de florestas que apenas podia frustradamente imaginar. Não poderia desperdiçar aquela oportunidade. A morte não se sente e, a vida que adorava, não tinha meio de lhe fazer falta. Os mortos são pedras.

     Porque é que alguém haveria de saber os secretos sonhos da menina? Não sabem. Psicólogo, rótulo de depressiva, inconstante, talvez dupla personalidade.

     Sorriso complacente. Porque haveria de confessar?...um segredo de que não se tem pudor… intimamente seu. Viagem a Veneza no mês que vem…

     Alexandre, bem… montanha russa partida (já repararam que tudo o que é fatalmente perigoso tem a palavra russa?). Razões? Porque haveria de ter razões? Porque haveria de pensar quando, por vezes, as pernas cumprem tão deliciosamente bem a sua função sem passar totalmente pela intelectualização? Os corpos não são pedras… mas este agora é…

     Ganho? Orgasmo mórbido comprovado. Sadismo? Depende da definição. E não, porque haveria de ter precedentes?... Provavelmente nem saberia: leigo em reacções biológicas…

     Porque haveriam de ter as acções deles, alguma coisa a ver com as respectivas personalidades? E…se não houver personalidade? Nada é fixo! No fundo, somos apenas…pedras…

 Sílvia Marôco

reflexo de turma 12º 12 às 11:31

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

Sem Corpo, Sem Mente

            Os pensamentos de um ateu, improviso....


                                                                            Sem Corpo, Sem Mente  

                                        

            Não há nada em que acreditar. Não há conforto neste mundo e a primeira regra que necessitas de saber, meu filho, é que o mundo gira sobre o seu eixo, independente de ti. Não há nada que irás fazer que não esteja escrito. O destino não existe e tal como a realidade é relativa desde o momento passado. Mas mesmo na sua inexistência, está escrito (e será escrito) tu não és. Aceita.

            Eu morro porque sei que morro. Apenas definho porque perdi-me por um figmento da minha imaginação. Prendi-me apenas por mim. Não há nada aqui. Não há quem me proteja de mim mesmo e como tal fujo-me num tempo indefinido encerrado dentro de eu próprio. A eterna questão do ego, o raciocínio fracturado da louca espontaneidade. A loucura é a esperança dos pobres e a raiva é o sonho dos privilegiados e assim deixa que a tua raiva te consuma meu filho, tal como a minha me consumiu. E eu não irei renascer das cinzas da minha ingratidão.

            Deus não existe. A justiça não existe. O amor não existe. Apenas acredita que nada és e nada sabes. Um dia irás morrer e o mundo não irá notar. Vais ser pó e vais ser esquecido e quando tudo findar, tu não és ninguém. Nunca foste nem nunca serás.

 

                                                                                  David João                                           

reflexo de turma 12º 12 às 07:42

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (2) | favorito
|
Domingo, 4 de Novembro de 2007

Não se bate à porta

  Ela bateu três vezes à porta. E foi-se embora, sem nada saber.

 

  Há dias em que se chora, há dias em que se ri, há dias em que se aprende. E há dias que são uma mistura de tudo isso. Como esse dia.

 

  Ele ficou aborrecido… Ela já devia saber que não precisava de bater à porta. Sim, ela devia saber. Mas e se não soubesse? Não… Ela já devia ter percebido. E chorou, confuso e indeciso. Perdido.

  Na verdade, ela não sabia. Nem sonhava! Desejava não ter que bater à porta, porém julgava a realidade desse desejo relativamente inverosímil. Pensava que nunca teria hipóteses, que bateria sempre… Sempre.

  Ele não conseguia dizer-lhe. Estava ciente de que iria arrepender-se, se o fizesse. Era um estúpido. Inexoravelmente idiota. Mas simplesmente não conseguia, aquela frase ficava-lhe presa na garganta. Era uma janela por abrir.

  Era uma aproximação adiada, julgada impossível. Ela não conseguia aproximar-se por receio. E não se aproximava. Ele não conseguia falar por receio. E não falava.

 

  Mas nesse dia, tudo foi diferente.

 

  Ele foi ter com ela. E disse o que tinha a dizer. E ela ouviu.

 

  Um sorriso.

 

  Ele dissera finalmente: “Gosto de ti”. E ela ficou a saber aquilo que há tanto tempo queria ouvir.

 

  Nesse dia, ele aprendeu que há janelas por abrir, e há que abri-las, sem reservas nem receios. E ela aprendeu que não é preciso bater à porta. Porque quando alguém nos abre uma janela, quando somos desejados, a porta está sempre aberta.

 

Inês Rocha

reflexo de turma 12º 12 às 12:03

link do reflexo | reflectir | ver reflexões (5) | favorito
|

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos