Sábado, 27 de Outubro de 2007

17.45

       David João Filipe: Do meu coração fugido, a cara doutora Filipa D'Lima. Pensei em dar-lhe um estatuto honorário nem que seja por uma vez, pelo seu texto ser tão bom.

      

17.45

 

 

17 horas e 45 minutos.

Seguindo um passo calmo e rítmico entrei no metro com o mp3 ligado no volume máximo. A cultura massificada do século XX sufocava-me especialmente. As personalidades clonadas eram-me hoje inadmissíveis, qualquer conversa era um pretexto para criticar o mundo em que vivo.

A carruagem estava vazia e sentei-me ao pé da janela. A primeira vez que andei de metro foi com a minha avó Teresa e disse-lhe que me queria sentar à janela para ver a paisagem. Há 6 anos que me sento sempre à janela e relembro esse dia.

Inevitavelmente, as músicas transmitem-nos estados de espírito característicos e eu estava a ficar cada vez mais deprimida. Desliguei o mp3. O silêncio da carruagem vazia e o som inconfundível da contagem das estações passadas eram ainda mais insuportáveis. Embora tivesse entrado no período de férias de verão continuava a ler livros sobre História, principalmente sobre a civilização romana. A distracção da sensação de sentimentos aprisionados era o que mais valorizada nessa altura. Através de guerras entre romanos e bárbaros abstríi-me da minha sociedade contemporânea.

Desviei o olhar da minha batalha e encontrei um olhar apaziguador que me mirava. Um largo sorriso unilateral se rasgou rapidamente, perfeitamente sedutor. Sorri em resposta mas rapidamente voltei para o grito ensurdecedor de Júlio César.

Esses olhos, de um castanho profundo que ninguém ousa comparar ao azul dos céus, não se separavam do meu rosto, disso eu tinha certeza. Sentia-os a queimar a minha pele e uma vontade inevitável de olhar novamente sobrepôs-se ao que me tinha imposto a mim mesma. Era só um olhar.

Os seus olhos não se desviaram. Permaneceram e intensificaram-se. Mais fundo na minha alma nua e desprotegida. Conheceu-me mais do que alguém poderá conhecer apenas num olhar poderosamente sabedor. Escondi o que pude.

Ele sentou-se ao meu lado, as guerras de Roma esquecidas no tempo e no espaço, a mão dele no meu rosto. Beijou-me ternamente e eu soube-o nessa altura, que era para sempre. Ele verbalizou-o e fomos um do outro nesse instante partilhado de silêncio único e perfeito. Nesse silêncio falei-lhe mais que em palavras alguma vez ditas com sonoridade e a beleza desses sons silenciosos foram a resposta às minhas dúvidas. Não mais escondi o que ele analisava tão superfluamente, tão devagar até chegar ao ponto central de uma profundidade inatingível por qualquer humano.

As estações passaram e as carruagens encheram. À nossa volta corpos imundos, suados e cansados, usados e desgastados, em pé e sentados. Humanos sem vida, cinzentos e de olhar morto. Éramos a sua inveja, sem sabermos o nome um do outro, sabíamos que era para sempre. De mão dada e palpitações compassadas.

Lentamente, a força da mão dele foi-se desvanecendo, a minha mão foi ficando solta. Lentamente ele levantou-se, nunca tirando os olhos dos meus. É para sempre. Saiu nessa estação sem olhar para trás, largou o meu olhar sem controvérsia nem remorso.

As portas do metro fecharam-se, o metro começou a andar. Ele não olhou para trás, os seus passos eram descontraídos, e não voltou.

Os meus olhos nas costas dele. O metro afastava-se velozmente em direcção ao túnel e em segundos vi o meu rosto na janela do metro, sozinha.

Não sei qual é a próxima estação.

 

Filipa D’Lima Outubro 2007


 

        Vá, toca a comentar!!!!!!!

música: Somewhere Over The Rainbow
tags:
reflexo de turma 12º 12 às 22:13

link do reflexo | reflectir | favorito
|
1 comentário:
De Terry C. a 28 de Outubro de 2007 às 11:00
credo, tanta coisa para descrever um "flirt" no metro ainda por cima à descarada...xD
não conheço a autora e gostei do texto sim sra. gosto de textos com ligações logicas fortes, e este vai de encontro a essa minha preferência. quanto ao assunto digamos que está expresso duma forma bastante criativa.
é a tua namorada João? hum, esta me a querer parecer que lhe deves comprar passes de autocarro...hm hm
ela pareceu-me demasiado vulneravel, tem de ser mais dificil...a aprte dos olhos a queimarem-lhe a cara fez-me lembrar a manteiga no pao torrado, por favor.estava em brasa, ui!

Comentar reflexo

. por detrás dos reflexos

.pesquisar reflexos

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Reflexos Recentes

. Vandalismo Virtual

. Uña Experiência

. 091009

. Tempo

. K.O.ALA

. Obstinação

. Destino, a pedido

. (...)

. Por Favor

. Onanismo

. Sinos tocam no horizonte ...

. A Era da Igualdade

. Origem

. Onanismo

. É intenso

. Reflexos... pensamentos, ...

. Descrições de Uma Planaçã...

. Thesaurus

. A Título

. Hoje tanto faz

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Outros Reflexos